Bem vindo
Notice: Undefined index: usuarioNome in /home/omunici/public_html/view/topo.php on line 39

Sair


Esqueci minha senha






erro na conexão
Warning: mysql_fetch_array() expects parameter 1 to be resource, null given in /home/omunici/public_html/model/noticias.php on line 64
Polícia :: 2017-06-23 -07:59:00

Sanjoanense Abdelmassih ganha prisão domiciliar e está internado em hospital de Taubaté


O ex-médico Roger Abdelmassih, condenado a 181 anos de prisão pelo estupro de pacientes de sua clínica de reprodução assistida, está internado, em Taubaté (SP), desde o dia 18 de maio. O criminoso está no Hospital São Lucas, que é particular, para tratar de problemas pulmonares.
 
Os problemas de saúde foram, junto com a idade avançada — ele está com 73 anos —, os argumentos que a defesa usou para embasar o pedido de prisão domiciliar, concedido na quarta-feira (21). Segundo os advogados do ex-médico, “seu quadro demanda cuidados contínuos, os quais a Administração Prisional não tem condições de oferecer".
 
PRISÃO DOMICILIAR
De acordo com a decisão da 1ª Vara das execuções Criminais de Taubaté, para ter direito a deixar a cadeira Abdelmassih deve permanecer em sua casa durante todo o dia e a noite, exceto para tratamento médico e hospitalar; comunicar a Justiça sobre eventual alteração de endereço; não se ausentar do País ou do município sem autorização prévia da Justiça; usar tornozeleira eletrônica; passar por perícia médica a cada três meses; e entregar seu passaporte, caso já não tenha feito, no prazo de 24 horas.
 
A decisão foi assinada pela juíza Sueli Zeraik de Oliveira Armani nesta quarta-feira (21) por entender que o ex-médico está acometido de enfermidades severas, passíveis de agravamento no regime carcerário.
 
Além do pedido de prisão domiciliar, o ex-médico também soliciou indulto humanitário — perdão da pena. O pedido foi recusado pela juíza. Os advogados do ex-médico vinham tentando conseguir um perdão judicial para o preso desde o ano passado. O indulto humanitário pode ser concedido a presos que têm doença grave permanente, com limitação severa nas atividades, exigindo cuidados contínuos, que não podem ser dados na prisão.
 
O pedido dos advogados já havia sido negado em outras ocasiões. Desta vez, a juíza levou em conta laudos médicos que indicaram o agravamento de suas condições de saúde nos últimos meses e autorizou apenas a prisão domiciliar.

 

Polcia