Bem vindo
Notice: Undefined index: usuarioNome in /home/omunici/public_html/view/topo.php on line 39

Sair


Esqueci minha senha






Região :: 2017-03-07 -08:36:00

Suspeito de ser o 'financeiro' da quadrilha de Abadia é preso em Casa Branca


                             Juan Carlos Abadia foi preso em 2007

A Polícia Civil de Casa Branca prendeu, na tarde desta segunda-feira (6), L.F.P, que está sendo considerado o braço financeiro da quadrilha do traficante colombiano Juan Carlos Ramires Abadia, preso em São Paulo em 2007.

A prisão foi feita a partir de investigações da Polícia Federal e teve o apoio de policiais da delegacia de Investigações Gerais – a DIG.

O suspeito, de apenas 24 anos, morava em Casa Branca e é, segundo a polícia, o responsável pela lavagem de dinheiro da quadrilha de Abadia, conseguido através do tráfico de drogas.

Ele foi levado para a cadeia e deve ser transferido para um centro de detenção provisória na região.

Sua custódia deverá ser transferida para a Polícia Federal, que investiga a ação da quadrilha de do colombiano.

Juan Carlos Abadia é considerado o Pablo Escobar do século 21, chegou a ser classificado pelo FBI como o segundo homem mais perigoso do mundo, atrás apenas de Osama Bin Laden.

Ele é acusado de mais de 300 assassinatos na América Latina e cerca de 15 nos Estados Unidos.

Segundo o governo americano, o traficante teria movimentado 1 bilhão de dólares em 10 anos com o envio de mil toneladas de cocaína para o mercado norte-americano.

No dia 7 de agosto de 2007, Juan Carlos Ramirez Abadia foi preso na grande São Paulo, num luxuoso condomínio fechado em Aldeia da Serra, durante a “Operação Farrapos”, da Polícia Federal.

Juan Carlos Abadia era procurado pela Agência Americana de Controle de Tráfico e Lavagem de Dinheiro.

Enquanto esteve escondido no Brasil, ele passou por 78 cirurgias plásticas, as quais transformaram completamente seu rosto.

O MUNICIPIO entrou em contato com o delegado Mauro Bacci, da DIG de Casa Branca, que solicitou a não divulgação do nome completo do acusado por conta da sequência das investigações da Polícia Federal.

Regio