Bem vindo
Notice: Undefined index: usuarioNome in /home/omunici/public_html/view/topo.php on line 39

Sair


Esqueci minha senha






Artigos :: 2016-06-22 -18:42:00

Realmente ele não é deste planeta


(Foto: foxsports.com.br)

 

Estados Unidos – um país acostumado com a excelência no esporte. Um povo que já não se assombra tanto com atletas vindos de outros planetas. Um povo que já se acostumou a ver Michael Jordan, Kobe Bryant, LeBron James, Tiger Woods, Michael Phelps entre outros. Um país ainda extasiado pela série final da NBA, onde o Cleveland Cavaliers conseguiu seu primeiro título da história da NBA em uma final pra lá de emocionante, agora volta suas atenções para a Copa América Centenária de futebol, ou para eles, soccer.

Torcendo para que esse “novo” esporte nacional fosse tão bom quanto os outros. Até então a Seleção de soccer norte-americana vinha fazendo um papel nada feio, muito melhor inclusive, que a nossa seleção brasileira, mas então, eis que na semifinal eles e todos os torcedores foram abduzidos por mais um E.T que, diferentemente dos que estão acostumados, não tem 2 metros de altura e uma força física descomunal, é baixinho e de porte físico pequeno. Este alien foi deixado na América do Sul, mais precisamente na Argentina, e normalmente, aqui entre nós, seres humanos, atende pelo nome de Lionel Messi.

O jogo de ontem foi uma verdadeira aula de futebol. Messi, ao lado de outros bons jogadores, envolveram os americanos de tal forma que eles não deram um único chute sequer ao gol. Parecia um treino de dois toques. Profissionais contra juvenis. O placar? Isso foi o que menos importou. Os 4x0 foram apenas uma “lembrancinha” de que os EUA têm seus aliens que mandam no Basquete, Baseball, Golf, “Football”, Natação, mas que o soccer, o nosso futebol, quem manda é outro e seu nome é Lionel Messi.

Ainda de quebra, já sendo o maior artilheiro da história do Campeonato Espanhol, da história do Barcelona, segundo maior artilheiro da história da Liga dos Campeões da Europa (por enquanto), ontem, ele se tornou o maior artilheiro da história da Seleção Argentina e tudo isso com apenas 28 anos. Realmente ele não é deste planeta.

A Argentina se classificou para a final da Copa América Centenária, invicta, e agora aguarda o jogo de hoje entre Colômbia x Chile para saber quem será sua próxima vítima, ou melhor, seu próximo adversário.