Bem vindo
Notice: Undefined index: usuarioNome in /home/omunici/public_html/view/topo.php on line 39

Sair


Esqueci minha senha






Artigos :: 2016-06-17 -14:50:00

Escalando o “Mantiqueira Valley”


                 

O mundo da inovação é um vale onde o horizonte muda e envolve o tempo todo. Movido pela colaboração apaixonada divide a moeda em dois lados: risco e surpresa. Este ambiente foi pincelado ao falarmos aqui sobre o GDG (Grupo de Desenvolvedores Google) e é a “garagem” onde surgiu desde a transmissão por rádio até smartphones, facebook, etc. Mas... como transformar idéias inéditas em coisas usadas por multidões, produtos? O segredo do sucesso para um Polo de Tecnologia está em ligar inovação e sua aplicação cotidiana. Busquei a resposta com quem já trabalha aqui junto ao GDG nesta questão: João Gabriel Nora e Cristiano Censoni.

Nossos dois personagens centrais são sócios da COMBO-Aceleradora de Negócios e já estão no ramo há um bom tempo, tendo participado de um concurso da Fiesp em São Paulo, além de um stand na Campus Party Brasil, também na capital do Estado. São especializados em gestão de startups, grupos de pessoas empenhadas em viabilizar negócios inovadores e, por isso, imersos em condições de extremo risco quanto aos resultados. Têm como parceira e principal inspiração o Lemonade, programa de pré-aceleração da Fundepar, no San Pedro Valley (Belo horizonte).       

Segundo eles, o caminho entre idéia e negócio de sucesso nesta área passa por quatro passos: 1) Ideação, quando a idéia se organiza; 2) Validação, um levantamento a respeito da utilidade da inovação; 3) Medição, avaliação da resposta do mercado potencial e, 4) a implementação, onde chega-se à etapa propriamente comercial. Cada parte do produto passa pela Ideação, Validação e Medição antes da Implementação, quando a criação sai da empresa e busca “escalar” o mercado. Entre a primeira e a última etapa, várias alterações podem acontecer, mudando tanto o que foi criado quanto a forma com que ele irá atingir a sociedade, o que é conhecido no meio por “pivotagem”.

Encarar um projeto de desenvolvimento tecnológico local baseado no fomento a startups envolve, antes de tudo, coragem. Com quatro instituições universitárias, temos as condições necessárias. O risco envolvido comprovadamente vale a pena, e exige políticas municipais de incentivo (sobretudo, fiscal), como já está previsto no Marco Civil da Ciência, Tecnologia e Inovação, sancionado em janeiro deste ano. Temos gente, como João e Cristiano, preparada para fazer com que iniciativas inovadoras saiam do papel. O “Mantiqueira Valley” está aí para ser escalado.