Bem vindo
Notice: Undefined index: usuarioNome in /home/omunici/public_html/view/topo.php on line 39

Sair


Esqueci minha senha






Artigos :: 2016-05-24 -12:47:00

Oniomania: A doença dos compulsivos por compras


Se você é daqueles que extrapolam na hora das compras, que não sabe a hora de parar, cuidado! Você pode estar com os sintomas da oniomania, também conhecida como a doença dos compulsivos por compras.

A palavra oniomania vem do grego, onde “onio” significa à venda e “mania” significa insanidade, portanto, o significado nos leva às pessoas insanas por tudo aquilo que está à venda.

É comum presenciar casos de pessoas que acabam comprando coisas que não precisam, que já possuem ou que não tinham a menor pretensão de comprar.

Essas pessoas acabaram comprando pelo simples fato de se depararem com uma promoção ou liquidação, sentem prazer em passar horas e horas nas lojas e comprar de tudo e de todos em qualquer lugar que seja.

Você mesmo já deve ter ouvido relatos de pessoas que compram roupas ou calçados e que, quando chegam em casa, descobrem que possuem o mesmo artigo, até na mesma cor e modelo.

Comprar de forma excessiva torna-se preocupante quando a pessoa começa a ter prejuízos com essas compras, sejam eles financeiros ou emocionais.

Os prejuízos financeiros podem comprometer seriamente o orçamento familiar por se referirem, na grande maioria das vezes, às compras não planejadas anteriormente, que se repetem constantemente e que representam itens que a pessoa não usa em seu dia-a-dia ou que não apresentam muito valor caso sejam vendidos posteriormente.

Quanto aos prejuízos emocionais, esses talvez sejam muito piores que os financeiros, uma vez que estão relacionados às sensações de vazio interior, de angústia, de desilusões amorosas e, principalmente, pela ansiedade.

Uma pessoa com esses sintomas acaba comprando de forma compulsiva porque busca uma sensação de prazer imediato, mas que se transforma em um sentimento de culpa muito forte em pouquíssimo espaço de tempo.

A oniomania não é fácil de ser identificada, alguns sinais já podem ser observados logo na adolescência e é difícil perceber o momento em que uma pessoa precisa procurar por um profissional, muitas vezes ela está doente e não sabe porque aquilo não é visto como um problema.

Mais grave do que não encarar essa situação como um problema, é ter o comportamento de justificar-se diante às compras, dizer que serão úteis em algum momento ou que não poderia perder aquela oportunidade.

O apoio da família e amigos é fundamental para ajudar um oniomaníaco em sua recuperação, principalmente, nos casos em que a pessoa compulsiva é arrimo de família ou que possui grande importância na composição da renda familiar.

Cada caso deve ser analisado de forma individual, pois os sintomas são muito parecidos a outros problemas de saúde, mas o tratamento para os casos de oniomania é feito por psicoterapeutas e/ou psiquiatras através de sessões de psicoterapia individual ou em grupo, uma terapia cognitivo-comportamental que pode utilizar, inclusive, tratamento medicamentoso.

Que mulher adora sair para gastar todo o mundo sabe, estudos apontam que elas representam de 90% a 95% do universo dos oniomaníacos, sendo os principais produtos adquiridos relacionados à aparência como roupas, sapatos, jóias e relógios.

No Brasil, as pessoas ainda não possuem uma boa educação financeira e a dificuldade em lidar com as oportunidades de se comprar a prazo pode contribuir para o aumento no número de casos de pessoas com oniomania.

Algumas dicas podem auxiliar as pessoas que se consideram compradores compulsivos, por exemplo, elas não podem ter dinheiro fácil na mão, precisam ficar longe dos cartões de crédito ou talões de cheques, e toda vez que forem comprar algo, não podem fechar a compra naquele momento, precisam sair da loja e refletir sobre a importância daquela compra, precisam evitar as compras por impulso.

Se você conhece pessoas com o perfil de comprador compulsivo, é hora de ser um agente multiplicador dessas informações e contribuir para ajudá-las, principalmente, na identificação do seu comportamento e no impacto que está causando em seu seio familiar.